MINISTÉRIO DA AGRICULTURA
MINISTÉRIO DA AGRICULTURA

                O Ministro da Agricultura, Antônio Andrade, deputado federal pelo Partido do Movimento Democrático Brasileiro - PMDB de Minas Gerais, deixará o cargo para se candidatar, provavelmente a reeleição. Como isto já era esperado o Ministério da Agricultura constava na relação dos prédios da esplanada que deveriam trocar de gestão por advento da reforma ministerial anunciada para este início de ano pela presidenta Dilma.

                O Ministério da Agricultura é parte do pacote de cargos distribuídos ao PMDB para manter a grande base aliada do atual governo. Trata-se da maior bancada proporcional de situação conquistada no período democrático. Bancada está conquistada escorada no fisiologismo do Planalto, oferecendo cargos a partidos aliados e nomeando sem questões de mérito e passando por cima de indícios de irregularidades.

                Com a recente “ruptura” da bancada do PMDB na Câmara dos Deputados, que se auto-declarou independente e abriu mão de indicar cargos no poder executivo, a sucessão no Ministério da Agricultura se concentrou dentro da estrutura do próprio órgão.

                Despontavam nesta disputa dois candidatos: Ênio Marques Pereira e Neri Geller, ex Secretário Nacional de Defesa Agropecuária e Secretário Nacional de Política Agrícola, respectivamente.

MAPA                Sabendo que o Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento é do PMDB e, ainda antes da bancada da Câmara dar os sinais de que não iria indicar nomes para o ministério, os dois se filiaram ao PMDB. Ênio é filiado ao PMDB do Distrito Federal e Geller que era filiado ao PP, migrou para o PMDB em Mato Grosso, seu domicílio eleitoral.

                Ênio Marques que contava com o apoio de entidades ligadas ao setor industrial de carnes e também com a simpatia da Confederação Nacional da Agricultura, presidida pela Senadora Kátia Abreu (PMDB-TO), tem um perfil técnico. Já exerceu o cargo de Ministro da Agricultura interinamente e, por mais de uma vez, ocupou a Secretaria Nacional de Defesa Agropecuária. É médico veterinário e funcionário de carreira do Ministério, sendo aposentado como Fiscal Federal Agropecuário, o que lhe dava certo trânsito entre os funcionários do órgão.

                Neri Geller tem perfil mais político, com mandatos de vereador e deputado federal por Mato Grosso. Nesta legislatura é suplente de deputado federal, candidatou-se pelo Partido Progressista – PP, aliado do Planalto, mas já como Secretário Nacional de Política Agrícola se filiou ao PMDB. É indicação pessoal do atual ministro, deputado federal Antônio Andrade.

                Entre o perfil técnico e o político, e no meio de uma erupção na base aliada no Congresso, a presidenta optou pela indicação mais política.

                Após ser convidado pela presidenta para assumir o MAPA, Geller afirmou: “Fui indicado hoje pela presidente para assumir o Ministério. Estou filiado ao PMDB, fui deputado federal, mas a indicação foi do atual ministro da Agricultura, para que eu desse sequência ao trabalho do ministério. Tenho uma ligação com o Congresso, mas não é indicação da bancada. Tive todo apoio das entidades do setor rural, principalmente da Frente Parlamentar da Agropecuária”.

                Assim que saiu do Planalto, foi ao Congresso se reunir com lideranças do PMDB no Senado e também com o presidente da Câmara.

                O líder da bancada do PMDB da Câmara deputado Eduardo Cunha (PMDB-RJ) se mostrou indiferente a indicação e afirmou que a bancada já havia se posicionado por não indicar pessoas para os ministérios na reforma que se desenhava. O atual Ministro que retornará a Câmara afirmou: "Os ânimos não vão ficar mais acirrados. Se fosse indicado outro nome, talvez a bancada pudesse ficar contrariada", se referindo a seus pares deputados federais do PMDB.

                A posse do novo Ministro da Agricultura deve ocorrer ainda nesta sexta-feira (14) ou na segunda-feira seguinte (17).

SAÚDE E INSPEÇÃO ANIMAL

 

topo